Valor do frete por km: como é feito esse cálculo?

O que não faltam são variáveis quando o assunto é o valor do frete por km. Por isso, entender como é feito esse cálculo ajuda a ter noção de quantos processos, documentos e informações influenciam na cobrança das transportadoras. Dá uma conferida!

Valor do frete por km_como é feito

Tipo de serviço: o primeiro ponto do valor do frete por km

Geralmente, a transportadora realiza dois tipos de frete: direto ou subcontratação. No primeiro, não existem intermediários, ou seja, a empresa é a única responsável pela coleta e entrega. Já no segundo, ocorre uma terceirização do serviço. Dessa forma, o valor difere, sendo o último mais caro.

Carga: fechada ou fracionada

Em segundo lugar, o tipo de carga também pesa no preço. Afinal, se você quiser um serviço exclusivo, terá que pagar mais pelo valor do frete por km. Por outro lado, quando optar por fracionar, ou seja, dividir o caminhão com mais pessoas, o custo diminui e envolve, comumente, o peso, espaço ocupado, distância e características da remessa.

Taxas, seguros e tributos: mais um acréscimo ao valor do frete por km

Da mesma forma que o tipo de frete e carga influenciam, as taxas, seguros e tributos obrigatórios também têm seu papel. Entre os itens comuns estão:

  • – TRT: Taxa de Restrição de Trânsito;

  • – TDE: Taxa de Dificuldade de Entrega, comum para locais de difícil acesso ou perigosos;

  • – Recolhimento direto no destino ou saída dos itens da base da transportadora. O mesmo vale para a entrega;

  • – Quantidade de pedágios da coleta até o endereço final;

  • – Combustível necessário para ir e voltar;

  • – Seguros da carga, especialmente quando ela é inflamável, perecível, frágil ou de alto valor agregado;

  • – Impostos, como o ICMS.

Valor do frete por km: afinal, como é o cálculo?

Valor do frete por km_cálculo

Por fim, a base de cálculo do valor do frete por km geralmente usa uma fórmula matemática padrão que envolve:

1) Valor da diária x Tempo para conclusão do serviço;

2) Quilometragem total x Custo do km rodado (considerando as despesas variáveis que você viu acima).

Esses dois valores são somados, levando em conta tanto os custos fixos mensais da empresa quanto os específicos da viagem contratada. Outros pontos podem pesar, como a contratação de serviços extras, como montagem e desmontagem de móveis para mudanças.

Dias de trabalho do mês, margem de lucro e até impostos específicos interestaduais poderão ser atribuídos a essa conta. É de fato complexo, mas com certeza já ficou mais claro pra você o trabalho, processo e variáveis envolvidas.