Seguro fiança: saiba o que é e como funciona

Ao fazer um contrato de aluguel, o seguro fiança será uma das opções que você terá para concretizar a negociação. Assim, é essencial que você conheça esse conceito e saiba como funciona o processo de inquilinato nessa modalidade. Leia até o final e descubra os detalhes!

O que é o seguro fiança

Seguro fiança_o que é

Para começar, entenda que ao alugar um imóvel você precisa oferecer certas garantias ao dono do patrimônio em caso de inadimplência. É justamente aí que entra o seguro fiança.

Ele corresponde a um valor mensal que será pago direto para a imobiliária ou seguradora responsável pela negociação. Então, se o aluguel não for pago por algum motivo, esse “saldo” será usado para cobrir possíveis despesas. Assim, o seguro fiança acaba fazendo o papel de fiador, especialmente quando não existe essa figura no contrato.

Aliás, para que você entenda, esse indivíduo é o que se compromete a pagar a dívida, caso o inquilino não consiga arcar com o pagamento do aluguel. Além disso, ele é a garantia de recebimento, substituindo também, por exemplo, a famosa caução.

Para quem o seguro fiança se aplica

Qualquer pessoa pode optar por ele, inclusive estabelecimentos comerciais. Porém, existem alguns casos específicos onde seu uso é mais indicado, como:

  • Ausência de fiador;

  • Busca por mais tranquilidade quanto ao futuro do aluguel;

  • Quando se precisa de agilidade na aprovação do contrato;

  • Necessidade de acesso a serviços de manutenção e até eventuais danos, pois costumam ser oferecidos junto ao seguro fiança.

Como funciona o seguro fiança

Seguro fiança_como funciona

Por fim, você já sabe que o pagamento desse serviço é mensal, porém seu valor é variável, de acordo com as taxas da seguradora e das coberturas escolhidas. Geralmente, é o proprietário do imóvel que decide o que deve ser garantido e apresenta a proposta ao inquilino.

É comum o oferecimento de parcelamento, dependendo do número de meses da contratação do seguro. Cabe ao proprietário solicitar ao responsável pela apólice o uso do “saldo” ao detectar a inadimplência. Da mesma forma, caso ela seja recorrente e o segurado não regularize, poderá ocorrer a solicitação do despejo.

Portanto, é bom se informar também sobre os direitos e deveres do inquilino para evitar problemas. Fique bem informado, escolha o que mais se adéqua ao seu perfil e alugue sem dor de cabeça!